domingo, 12 de março de 2017

Triste fim

(13/03/2017)




Sinto o que não mais digo
Pois não importa mais o que sinto
Tudo o que digo, minto
E de mentira a vida sigo

Viver é um labirinto
De emoção e de castigo
Inquietude e perigo
De paz que vive-se faminto

Acreditar no que não sinto
É remédio amargo, meu caro amigo
É o dissabor do amor retinto
Que à solidão cedeu abrigo.

Ah, Solidão! Triste fim...
De um coração, assim: partido.


(Sérgio MArtucci Júnior)

sábado, 21 de junho de 2014

Nada, Saudade...

(21/06/2014)



Sinto falta
Não de alguém,
Sinto falta
De algo!

Um momento,
Um carinho,
Um suspiro,
Um sorriso,
Um afago,
Abraço amigo.

Sinto falta
De algo...
Algo
Que mal conheço...

Sinto falta
De não ter nada,
Nada pra sentir.

Saudade...

(Sérgio Martucci Júnior)

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Pretérito mais que perfeito

(02/11/2013)



Pretérito mais que perfeito
é o passado do passado
é mais que passado
é mais que perfeito


(Sérgio Martucci Júnior)

Sinto falta de mim mesmo

(01/11/2013)



Sinto falta de mim mesmo
Quando olho para trás
E vejo o que um dia eu fui

Sinto falta de mim mesmo
Quando acordo no meio da noite
E não vejo motivos para seguir

Sinto falta de mim mesmo
Quando me olho no espelho
E só vejo restos

Sinto falta de mim mesmo

Hoje, sinto que sou apenas
O rascunho de alguém
Que mal conheci
Porém, sinto muita falta!


(Sérgio Martucci Júnior)

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Pensa-Mente

(08/07/2013)



E a você, nobre leitor, deixo os três primeiros passos...


(Sérgio Martucci Júnior)

domingo, 23 de junho de 2013

Eu, Sujeito Inexistente!

(24/06/2013)




Hoje vi a minha vida em algumas fotos... Mas o sujeito nas fotos não era mais eu...
Era alguém que fez parte de mim durante um tempo e hoje ocupa o meu lugar nos lugares que um dia eu fui, onde um dia vivi, ao lado daqueles que um dia estiveram ao meu lado. 
Eu parti, e a roda gigante que gira o moinho da vida encaixou as peças sem mim. 
Com um eu que não sou mais eu.


(Sérgio Martucci Júnior)

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Dança de cachorro doido

(22/08/2012)


A política no Brasil é um grande jogo de interesses, porém, de interesses pessoais e individuais. Em qualquer esfera, em qualquer cargo, ganhe Pedro ou ganhe Paulo, cada um puxará a sardinha para o seu lado e daqueles que querem mamar nas tetas públicas. E, tenham certeza, os interesses comuns da população sempre ficarão em segundo plano.
Lembrando a celebre frase ligada ao político Paulo Maluf, "rouba mas faz", quero convidar a todos que se atentem a Pedros e Paulos do nosso grande Brasil que cresceram e engordaram com o leite da vaca pública.
Sai uma turma, entra outra e a dança do cachorro doido continua a mesma, só mudam as posições e o ritmo, porém, no final quem dança, é o Povo Brasileiro!!!
O ex Ministro é lembrado por ter criado a lei dos medicamentos genéricos, mas corre à boca pequena (não afirmo, pois não posso provar) que tudo por interesse da própria família que está ligada a uma grande indústria farmaceutica. Será que isso não acontece em esferas menores????
Ouço, de longe, a música.... o povo dança enquanto Pedros e Paulos engordam....

(Sérgio Martucci Júnior)